Como usar business intelligence e cultura de dados para maximizar resultados?

Emeritus |04 fevereiro, 2020 | 6 - minutos para ler

O conceito de business intelligence (BI) não é uma novidade no meio empresarial. Contudo, no cenário atual de transformação digital e big data, a sua definição foi ampliada. Até então, significava apenas fornecer uma plataforma com acesso a dados sobre determinado processo ou serviço para a equipe.

Não havia a análise de tais informações para auxílio nas tomadas de decisões feitas pela liderança no contexto das organizações. Ou seja, não havia inteligência no processo. Hoje, com um mercado altamente competitivo, as empresas se veem obrigadas a investir em BI e fazer com que isso se torne parte da cultura de todos os que ali trabalham para, consequentemente, maximizar os seus resultados.

A cultura de dados nas empresas é uma tendência necessária para a sobrevivência dos negócios. O uso de ferramentas e de dados internos e externos ajuda nos processos decisórios, no aumento de produtividade da equipe e ainda gera insights para inovações em processos e produtos. Entenda como o business intelligence pode ser o diferencial para a sua empresa se destacar perante a concorrência!

Criando uma cultura de dados

Empresas que estão inseridas no processo de transformação digital também precisam passar por uma mudança em sua cultura organizacional. Isso significa que a cultura de gestão e análise de dados precisa ser desenvolvida estrategicamente.

A sua construção começa na contratação do software de BI mais eficiente, passando pelo engajamento e pela orientação de toda a equipe para, finalmente, chegar à tomada de decisão com base em tais informações.

Escolhendo a ferramenta de business intelligence adequada

business intelligence

Não é porque um software de BI é muito utilizado por diversas empresas de determinado segmento que ele será a ferramenta perfeita para o seu negócio. É importante verificar diversos pontos sobre esse serviço prestado antes de tomar a decisão por uma ou outra solução tecnológica. Afinal, cada empresa tem as suas necessidades e particularidades que devem ser levadas em consideração e atendidas pela ferramenta.

Antes de olhar esses pontos para decidir qual solução de BI contratar, entenda o motivo pelo qual você está contratando uma ferramenta de gestão de dados. Dessa forma, quando for visualizar as funcionalidades do software, será possível identificar se ele solucionará o problema ou não.

Segurança

A ferramenta de gestão de dados compilará e gerenciará informações valiosas sobre clientes e processos. Por isso, é preciso entender como funciona o seu sistema de segurança, onde ficam armazenados os dados, como acessá-los, com qual periodicidade são feitos backups, se a segurança não será prejudicada no caso de integração com os sistemas usados na empresa, entre outros.

Acessibilidade

Uma vez que pessoas com diferentes conhecimentos e domínios digitais terão acesso à ferramenta, é preciso que ela seja de fácil utilização e intuitiva para todos os colaboradores. Além disso, acessibilidade também significa poder acessá-la onde e quando quiser — ou seja, estar disponível para execução em diferentes plataformas, como desktops, web e smartphones. Isso permite uma maior agilidade no acesso aos dados e na tomada de decisão.

Suporte

Durante o processo de escolha e contratação da ferramenta de business intelligence, é fundamental questionar a empresa a quem se deve recorrer caso a plataforma apresente problemas. É interessante que a prestadora de serviço disponibilize uma equipe especializada no suporte técnico do software de BI e que tenha um atendimento ágil e com foco no cliente. Entenda quais são os prazos e meios de comunicação para resolução de problemas.

Custo

Por último, mas não menos importante, é preciso verificar o valor de contratação da ferramenta, ou seja, se está dentro do orçamento disponível. Algumas empresas fazem contrato com fidelidade e, caso esse acordo seja quebrado antes do prazo estipulado, há a cobrança de multa rescisória.

Ademais, esse é um investimento necessário para a implementação de uma cultura de dados. Mas, como todo o investimento, é preciso conseguir estimar e identificar o retorno e o tempo que ele levará para trazer resultado para a operação.

Tornando o BI parte da cultura da empresa

Ao contrário do que muitos executivos ainda pensam, o big data e o business intelligence não são tendências passageiras. Eles são uma nova forma de gestão que auxilia empresas a se manterem vivas e competitivas, principalmente nesse momento em que há tanta disputa por um lugar no mercado.

Entretanto, a contratação e o uso de um software de BI por si só não fazem da empresa uma organização com uma cultura de dados sólida e, muito menos, com resultados ampliados e maximizados. É essencial que toda a empresa se engaje e mude o seu mindset em relação ao uso de dados para a realização dos processos decisórios mais cruciais.

Compartilhe os objetivos com o time

Qual é o propósito da organização ao querer mudar a sua cultura para uma cultura de dados? Ao identificar e entender a resposta para esse questionamento, ele deve ser compartilhado com todos os trabalhadores.

Compreender o porquê de fazer alguma coisa faz com que os colaboradores se sintam parte do processo, gerando assim maior engajamento de todos e, até mesmo, a contribuição com críticas e sugestões sobre o uso de dados na empresa.

Estimule o novo mindset

Por natureza, o ser humano não gosta de mudanças. Por isso, ao iniciar o engajamento de uma nova cultura e um novo comportamento, é normal que haja certa resistência por parte de muitas pessoas. Logo, é necessário estimular essa mudança e, se necessário, recompensar comportamentos que sejam de acordo com a nova cultura — por exemplo, inovações em algum processo após a análise de dados.

Nesse estímulo de novo mindset, o papel dos líderes da empresa é fundamental. Eles devem liderar pelo exemplo e sempre, em processos decisórios, utilizar dados que mostrem a eficácia de tal ação. Outra forma de estimular é nomear embaixadores desse processo, para que eles sejam verdadeiros disseminadores de comportamentos em prol da cultura de dados.

Engaje toda a equipe

A melhor forma de fazer com que todos passem a trabalhar a partir da análise de dados é engajar a equipe para tal. Logo, crie um ambiente colaborativo em que os funcionários se sintam à vontade de questionar qualquer pessoa em caso de dúvida, independentemente da hierarquia.

O engajamento pode acontecer por meio de capacitações sobre o uso da ferramenta e com reuniões que mostrem o valor gerado por processos baseados em análise de dados. Esses momentos devem ter a presença e a participação ativa de todos na empresa.

Somente com a mudança de comportamento de todas as pessoas da empresa será possível construir uma cultura de dados para depois colher os resultados. O fato de adotar uma ferramenta de gestão de informações não basta para maximizar os resultados da organização. É fundamental que todos compreendam que precisam fazer a sua parte e mudar alguns comportamentos, para que, assim, os resultados sejam exponenciais.

O principal valor dos dados está na capacidade de pensamento analítico e na inteligência do homem para tomar decisões a partir deles. Só assim é possível garantir o sucesso da empresa e de uma cultura de dados. A todo o momento, novas ferramentas e metodologias são criadas para auxiliar em business intelligence. Inscreva-se na nossa newsletter para ficar por dentro de todas as tendências.

Comente

Receba Conteúdos exclusivos
sobre Business Management!

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.