Management 3.0 e os desafios do novo líder

Emeritus |31 outubro, 2019 | 6 - minutos para ler

Uma pesquisa da Harvard Business Review, em parceria com a The Energy Project, mostrou que os executivos que veem algum propósito nas suas atividades são 1,7 vez mais satisfeitos e 1,4 vez mais engajados do que aqueles que não têm essa percepção. É possível relacionar esse resultado com o Management 3.0, que leva em consideração, principalmente, o bem-estar dos indivíduos no ambiente de trabalho.

Diante desse cenário, os líderes precisam entender o seu papel e saber como utilizar do Management 3.0 a fim de engajar a sua equipe e, claro, obter resultados cada vez melhores. Quer saber mais sobre o assunto? Continue com a leitura para entender como tomar ações que criem um ambiente saudável para todos.

O que é Management 3.0?

O termo Management 3.0 surgiu no livro "Management 3.0: Leading Agile Developers, Developing Agile Leaders", do líder e palestrante holandês Jurgen Appelo, publicado em 2011. De acordo com o autor, esse é um mindset que possibilita mudar a forma de analisar os processos, as ferramentas e os métodos de trabalho utilizados por um negócio. De forma resumida, o Management 3.0 é um modo de ver os diferentes sistemas de trabalho de uma empresa ou equipe.

Por meio de um movimento de liderança, inovação e gerenciamento, o Management 3.0 analisa as formas de trabalho, colocando os indivíduos no centro desse processo, para verificar as soluções mais efetivas a fim de conquistar os objetivos propostos. Ou seja, os líderes analisam a empresa considerando que ela é uma rede de relacionamento formada por pessoas.

Para entender essa teoria complexa, é preciso analisar como a gestão das empresas era feita antes do momento atual, assim como quais eram os objetivos e as prioridades dos líderes empresariais. Por isso, confira a seguir as definições de Management 1.0 e Management 2.0.

Management 1.0

Quando os líderes começaram a dar mais atenção aos métodos de gestão, mais precisamente no início do século XX, o objetivo era fazer com que as empresas fossem mais eficientes. Para isso, utilizava-se o conhecido modelo de gestão top-down. A tomada de decisão era centralizada nas lideranças, e os trabalhadores apenas executavam o processo, que era monitorado a fim de manter o controle.

Management 2.0

Com o passar do tempo, novas formas de gestão surgiram a partir da evolução de conceitos do Management 1.0. Entre os principais métodos está o Good to Great, do empresário Jim Collins, que tem como objetivo trabalhar os pontos fortes da empresa a fim de se tornar excelente naquilo que faz.

Mesmo com as novas práticas de gestão, dificuldades, como burocracia excessiva e demora na tomada de decisão, ainda aconteciam, pois a administração era feita para os líderes.

Management 3.0

A partir dessa demanda, surgiu o Management 3.0 que, como visto, foca nas pessoas e no bem-estar delas. Esse método acredita que a gestão dos processos não tem apenas um gerente como responsável, mas é algo compartilhado entre todos os envolvidos. Assim, o papel dos líderes é tornar o ambiente de trabalho um lugar ótimo para se trabalhar.

Management 3.0 e Gestão Ágil?

management 3.0: mulher trabalhando em ambiente tecnológico

É importante entender que o Management 3.0 e o Método Ágil são complementares. Afinal, não seria possível aplicar o primeiro conceito sem o segundo.

Por exemplo, quando um líder determina uma meta, ele foca todos os seus esforços em atingi-la — objetivo do Método Ágil. Para isso, ele vai realizar diversos experimentos buscando a melhoria de processos. Assim, a organização e os seus profissionais crescem, pois estarão envolvidas nesse sistema.

É interessante destacar uma semelhança importante entre o Método Ágil e o Management 3.0: ambos têm os indivíduos como ponto central. Dessa forma, as interações, o desenvolvimento e o bem-estar das pessoas são fundamentais para o sucesso de um processo ou negócio. Por isso, essas metodologias trabalham em um cenário de constante mudanças.

Quais são os princípios do Management 3.0?

No livro que marca a criação do Management 3.0, Jurgen Appelo explica que não há uma receita para a aplicação dessa metodologia, uma vez que cada organização tem as suas particularidades. Contudo, para colocá-la em prática é possível considerar alguns pontos acerca do negócio.

Para ter uma visualização desses elementos e compreender a complexidade da empresa, foi criado o Martie, o monstro do gerenciamento. Esse personagem tem seis olhos, e cada um representa um princípio do Management 3.0. Falaremos a seguir sobre cada um deles.

Energizar pessoas

O propósito desse princípio é motivar os profissionais e engajá-los no trabalho para a conquista dos objetivos da empresa. No entanto, como todas as pessoas são diferentes, é preciso analisá-las e entendê-las individualmente para saber como trazer satisfação a elas.

Empoderar times

O poder e a responsabilidade devem ser compartilhados entre todos do time. Por isso, é importante sempre promover a autogestão e auto-organização, demonstrando a sua confiança como líder.

Alinhar restrições

O empoderamento dos indivíduos e das equipes pode ser facilmente confundido com falta de processos e até mesmo bagunça. Nesse sentido, alinhar restrições faz com que as decisões e ações de todos sejam guiadas para alcançar o objetivo e garantir que nenhuma atitude seja em vão.

Desenvolver competências

Falamos bastante sobre mudanças constantes. Por isso, o time deve estar sempre evoluindo, por meio do desenvolvimento de habilidades e competências, a fim de fazer entregas cada vez melhores. Ou seja, treinamentos e capacitações precisam ocorrer sempre.

Aumentar as estruturas

Dificilmente um líder não terá entre os seus objetivos a expansão do negócio. No Management 3.0, o crescimento deve ser feito de maneira consciente, com foco em qualidade e em desenvolver e manter um ambiente colaborativo.

Aprimorar tudo

O processo de melhoria contínua é o segredo para o sucesso. Por isso, teste e erre sem medo para conseguir acertar na próxima vez e atingir os seus objetivos e metas.

Management 3.0: quais são os desafios do novo líder?

Em um contexto em que as empresas têm diferentes gerações trabalhando juntas, o grande desafio do gestor 3.0 é fazer com que esses perfis distintos trabalhem em conjunto, contribuindo para o bom andamento das operações.

Como as indivíduos estão no centro da gestão, hoje, os líderes gerenciam pessoas, e não processos. Afinal, é preciso manter a equipe engajada e energizada, gerando resultados em um cenário de constante mudança, além de entender as suas principais necessidades de desenvolvimento de habilidades.

Assim, para a aplicação do Management 3.0, é possível utilizar diferentes estratégias e ferramentas para a gestão das pessoas. Além disso, é importante conhecer o seu estilo de liderança para identificar como ser mais eficaz.

Gostou do post e quer continuar se informando? Então, leia também este conteúdo sobre liderança no contexto das estratégias digitais.

Comente

Receba Conteúdos exclusivos
sobre Business Management!

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.