info Declaração sobre o COVID-19

Apesar de o vírus estar afetando a todos de formas diferentes, os nossos cursos online continuam, como planejado.
Considere a oportunidade de se juntar à nossa sala de aula global e online, tendo, dessa forma, uma experiência enriquecedora e interativa que vai estimular a sua carreira.

Previsão para a taxa Selic 2020: possíveis efeitos na economia

Emeritus |31 março, 2020 | 6 - minutos para ler

Em fevereiro (6) deste ano, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central confirmou o sexto — e supostamente último — consecutivo na Selic, a taxa básica de juros do país. Com a taxa Selic 2020 confirmada para os já esperados 4,25% ao ano, o governo espera forçar um estímulo que se transforme em crescimento econômico e produtivo.

Aproveitando a deixa, o blog da Emeritus traz para você o que é a taxa Selic, o que muda com a política de juros baixos dos governo e o que podemos esperar da Selic para 2020. Fique conosco.

O que é a taxa Selic e quem a define?

Quando falamos em taxa Selic (sigla para Sistema Especial de Liquidação de Custódia), estamos falando, quase sempre, da Taxa Selic Meta, um índice definido pelo Copom (Comitê de Política Monetária), órgão ligado ao Banco Central do Brasil que tem o objetivo básico de direcionar a política monetária do país, definir a taxa básica de juros e trabalhar no cumprimento das metas de inflação.

Sem entrar em tecnicismos sobre a Selic Overnight, o ponto para entender essa história é que, a cada 45 dias, o governo decide quais taxas de juros serão praticadas nos títulos públicos, o que cria uma espécie de efeito cascata em toda a economia.

Qual é a importância da taxa Selic para a economia do país?

taxa selic 2020

Da poupança e dos investimentos atrelados ao CDI (Certificado de Depósito Interbancário) à inflação, a Taxa Selic (Meta) é o instrumento mais efetivo do governo para controlar, dirigir e manipular a economia e os seus índices. São inúmeros os exemplos disso na prática, então vamos passar por alguns.

Dólar

Imagine que você é um investidor suíço, país onde a taxa de juros foi de -0,75% ao ano em 2019 (sim, negativo). Isso significa que investir seu dinheiro em um título público é, basicamente, pagar para o governo guardar o seu dinheiro. Você, querendo a segurança dos títulos públicos, decide investir em fundos que estão posicionados em países com juros mais altos, como o nosso — o que traz dinheiro para o mercado brasileiro.

Esse raciocínio — uma simplificação, claro — permeou boa parte da política monetária de juros relativamente altos do Brasil nas últimas décadas. A Selic lá em cima servia como estímulo para entrada de moeda estrangeira no país e, consequentemente, ajudava a segurar o preço do dinheiro americano por aqui. Selic caindo, por outro lado, significa diminuição na oferta do dólar.

Investimentos

Seguindo o raciocínio anterior, é importante entender que a combinação entre juros a 4,25% e inflação a 3,40% (previsão do IPCA para 2020) significa que uma série de investimentos de renda fixa deixam de apresentar ganhos reais. O jornal carioca O Globo fez as contas e mostrou que R$1.000,00 investidos no Tesouro Selic, descontada a inflação, se converteram em um ganho real de R$0,97 negativos.

Em resumo, ainda que o dinheiro do investidor comum continue a render, a inflação corrói qualquer possibilidade de ganho real nos investimentos mais conservadores. Nesse universo, as famosas Letras de Crédito (imobiliárias ou agrícolas) ainda oferecem possibilidade de ganhos reais, assim como fundos privados. É de se esperar, também, que essa combinação empurre um número cada vez maior de investidores pessoas físicas para mercado mais arriscados e especulativos — ou seja, boa notícia para o pessoal da Bovespa.

Consumo e crédito

Dólar alto ou baixo, Selic alta ou baixa, inflação baixa demais é ruim? Em economia, nem tudo é preto ou branco — e a zona cinzenta é bem grande. Se a Selic baixa significa dólar potencialmente caro, por outro lado, reduzir a taxa básica de juros é um dos mecanismos mais diretos de estímulo ao consumo e o crédito e, por extensão, à produção e ao crescimento do PIB.

Com juros menores, o acesso a produtos de crédito (do empréstimo ao cartão, passando por linhas de financiamento público) é facilitado e mais acessível. Isso significa mais gente abrindo negócios, investindo nos que já tem e, claro, comprando. O dólar alto, nesse cenário, por sua vez, tem efeitos distintos (bom para quem vende para fora, ruim para quem depende de insumos importados).

Quais são as previsões para a taxa Selic em 2020 e suas implicações?

Previsões econômicas são um terreno muito traiçoeiro, contudo, dos números mais importantes, a Selic parece ser um dos mais previsíveis. O próprio Copom fala em “interrupção do processo de flexibilização monetária”, e a expectativa do mercado, como um todo, é de manutenção dos atuais 4,25% até o fim do ano — embora haja, sim, analistas importantes apostando na redução até os 4%. Para 2021 e 2022, a expectativa é de inversão e aumentos tímidos, subindo até os 6%.

Inflação

O que pode bagunçar os planos para a Selic nos próximos meses são a inflação e o dólar. Os juros baixos se convertendo em estímulo ao consumo têm o potencial para empurrar a inflação para cima, além das metas do governo. A Selic, afinal, é o principal e mais efetivo instrumento do governo para controlar os preços.

Em outras palavras, juros nos níveis atuais (uma mínima histórica) podem causar efeitos no consumo além do que a produção suporta, o que causaria inflação e poderia fazer o governo subir a Selic antes do planejado.

Dólar

O preço da moeda americana, por sua vez, está sujeito a uma série de variáveis muito além do controle brasileiro. O primeiro fator já comentamos acima: Selic baixa significa que a moeda brasileira e seus títulos de renda fixa não parecem mais tão legais quanto em outros tempos para investidores estrangeiros. Isso, por si só, vai ao encontro da ideia do dólar se mantendo estável acima dos 4 reais.

Além disso, questões tão variadas como o Coronavírus, o conflito entre iranianos e americanos e a chamada Guerra Comercial entre EUA e China podem influenciar o valor do dólar e ressonar por aqui, mexendo com a política monetária do governo.

Agora compreendeu mais sobre a taxa Selic para 2020 e o que podemos esperar do tabuleiro econômico neste ano? Então, assine a nossa newsletter e receba o melhor do blog da Emeritus direto no seu e-mail.

Comente

Receba Conteúdos exclusivos
sobre Business Management!

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.